mesa de trabalho de Line Gilmore, prazer.

Photobucket

Computador, coisas coladas com durex no computador (basicamente tudo que tenho que fazer nas próximas duas semanas. besteirinha), Jones – meu toy-art particular, esquecido de presente de Curupa. Eu super queria que ele e a Barbie tivessem um relacionamento feliz e duradouro, especialmente agora perto do dia dos namorados, mas ela é de plástico e tem prazo de validade na minha mão =/ – completamente desolado com o tanto de coisas que tenho que fazer nas próximas duas semanas, pixel art no desktop, monitor #2 desligado por causa da tablet, taaaaaablet (recém ganhada linda linda maravilhosa e com mouse wireless ai que chics), caneca-presente-antiquiquíssimo-de-vó melada de café de de manhã cedo *vergonha*, caneca-de-Nescafé-ganhada-da-mãe-na-base-da-chantagem-emocional com canetas que não funcionam mais mas são bonitinhas, garrafinha de coca-cola roubada (não dá pra ver porque Jones tá na frente, mas está lá sim senhor), foto cute-cute de 15 anos atrás com Irmãozinho e um minúsculo pedacinho da bolsa que costurei quando ainda tinha tempo pra isso (preta, no cantinho direito, ó). E João Grandão ali atrás, em motion blur.

Ok, confesso que arrumei pra a foto, e normalmente não tá tão bonitinho. Mas foi só ontem (dia dessa foto) que vi como tô ficando nerd. By the way, quem é que dizia que o homem é bom, a sociedade é que o corrompe?

(soundtrack: The Cardigans – No Sleep)

e comentando a soundtrack (e pessoas, prestem atenção, porque posso estar instituindo uma nova tradição aqui no blog: comentar a música do dia, caso ela mereça ser comentada. Já quis fazer tanto isso e não fiz, não tem momento melhor que agora pra começar, né?): estou tendo um affair delicioso com The Cardigans. Tá, já conhecia os hits mais mais há um tempinho, mas fui descobrir a banda mesmo por causa do Last.fm (saaaanto Last.fm!), e a bola da vez, ou melhor a bolacha da vez é Long Gone Before Daylight (não quer baixar? ouve aqui). O melhor dos melhores de todos os discos da banda eveeeer. É todo cheio de emoção e melodias lindas e tristes – bittersweet é a palavra que define isso melhor do que qualquer outra -, a voz de Nina é macia e gostosa e feminina, tem um instrumental diferente e que enche o ar, um violão meio indie, meio folk, bem calminho, especialmente nessa música, No Sleep, que tem uma letra linda. E tem Communication, que é simplesmente A Música (e que fez Namorado ficar super com medo e se sentindo culpado, só porque mandei ele escutar depois que a gente tinha não se entendido muito bem, e foi aí que eu vi que ela é poderosa). E é pop, easy-listening, o tipo de música que fica na cabeça o dia inteiro se deixar. Super recomendável pra dias de chuva, ou pra aquela sessão de experimentar-todas-as-roupas-do-armário (porque tem umas músicas que super dá pra dançar, tipo Live and Learn), ou sei lá, presta de qualquer jeito. E só meu pequeno comentariozinho sobre a soundtrack do dia foi maior que o post. Adoro isso. E viram que fui super boazinha e coloquei bem muitos links? That’s all folks. Aguardem novas descobertas.

Anúncios

Uma resposta em “mesa de trabalho de Line Gilmore, prazer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s