pra contar pros netos

Eu tinha perdido meu celular, e estava mais ou menos desesperada. Fiquei completamente desesperada quando consegui um telefone emprestado de alguém no estágio, liguei pra Namorado e ele disse que não, eu não tinha esquecido no carro dele. E voltei a ficar só mais ou menos desesperada quando ele disse que sabia com quem estava, que foi um tal de Alisson que foi procurado pela tia do restaurante do CAC, porque era o primeiro número na minha agenda telefônica. A tia ligou, o tal-do-Alisson foi lá e pegou meu celular pra me devolver, não sem antes ter que provar, de 082651356 maneiras diferentes que me conhecia e não era um cara mal-intencionado que só queria roubar um celular todo arranhado e incrustado de materiais estranhos (porque é isso que acontece quando você é uma pessoa agoniada e trabalha com materiais estranhos que deixam a mão suja).

Enfim, o-tal-do-Alisson ligou pra Namorado – que era o número mais recente na discagem rápida – e queria combinar com ele pra entregar, só que o horário dos dois era péssimo, então era melhor eu mesma combinar com o-tal-do-Alisson, pra pegar meu aparelho no outro dia.

Seria uma história no mínimo curiosa, se o-tal-do-Alisson não fosse o super-famoso-blogueiro-e-meu-amigo-de-internet Aju. Que tinha se mudado pra Recife há menos de 1 mês. Cujo telefone estava na minha agenda há menos de uma semana. E que eu ainda não havia conhecido pessoalmente(!!!). Agora já tinha motivo. E no dia seguinte à agonia toda de “perdi meu celular”, eu estava esperando aju na frente do CFCH, de chapeuzinho e flor vermelha no cabelo. E tivemos uns bons 40 minutos de conversa fiada regada a coca-cola, e eu super me diverti com as histórias desastrosas de Aju com meninas-que-gostam-de-forró. É, foi mais do que no mínimo curioso… é dessas histórias que a gente conta no Natal pra a família. ai ai.

E hoje é aniversário do Aju. E como boa conselheira sentimental e psicanalista particular, eu sei que já disse, mas vou dizer de novo, que não custa: vem muita m* por aí (brincadeira, a frase certa é “gosto muito de tu, e te desejo muita felicidade, muita sorte e pouco forró daqui pra frente”).

Photobucket
e muitos anos de vida.


(soundtrack: Barão Vermelho – Maior Abandonado)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s