sobre a vida.

Perder alguém pra uma cidade distante. Perder alguém pra outra pessoa. Perder alguém pra uma coisa mais importante. Perder alguém pra amigos novos. Perder alguém pra o tempo, simplesmente. Já experimentei essas coisas, e são horríveis. Mas nada se compara a perder alguém pra sempre. Morte mesmo, a palavra que a gente tem medo de falar. Que ninguém gosta de conversar sobre. Que todo mundo tenta evitar a qualquer custo. E que está infinitamente mais perto do que a gente pensa.

Hoje recebi duas notícias ruins. Dois amigos perderam pessoas queridas, repentinamente, e eu fiquei sem ter o que dizer. Nunca perdi alguém, e não consigo imaginar a dor que é saber que aquela pessoa não está mais por perto, e não vai estar nunca mais, por mais que você queira, por mais que você ame e sinta saudade. Ou a agonia de não ter se despedido, e das coisas que ficam sem ser ditas. A vontade automática de ligar pra contar qualquer coisa, e de repente lembrar que ninguém vai atender deve ser desconcertante.

E eu tenho medo. Morro de medo. Não de morrer, mas de perder pra sempre quem eu amo (ou de perder quem eu amo pra sempre, o que vem a ser a mesma coisa, se você considerar que amor só é amor se for pra sempre). De não dar tempo de dizer tudo, e de aproveitar junto as coisas boas da vida, e de mostrar o tamanho do amor, com todas as letras, pra não ter dúvidas. E aproveito agora, e aqui, que esse blog é meu e não tem obrigação nenhuma de fazer sentido: mãe, te amo. Mais do que qualquer outra pessoa no mundo. E não tem nada a ver com domingo ser dia das mães, ou com o fato de todo mundo estar fazendo declarações de amor pra a mãe por aí. Te amo. As coisas estão estranhas, e não entendo o motivo. Mas eu quero ter tempo pra você, e queria demais ter um dia das mães igualzinho ao do ano passado (salvo pelo meu cabelo, que agora tá mais bonito). E quero que, mesmo sem eu aí, você faça festa, simplesmente porque a vida vale a pena comemorar, principalmente a sua. Morro de saudade. E te amo.

Coincidência ou não, o último post foi minha bucket list, que fui super intimada a fazer, e que me deixou toda boba e sentimental quando eu escrevi. Parece que tem alguém querendo me dizer que o tempo é curto, e pra eu parar de ver a vida passar, e tratar logo de mergulhar nela. E aproveitar quem está vivo, como Sofia disse.

(sondtrack: Não sei quem canta, mas é da trilha de Sweet November – Wherever You Are)

off the record: lembrei um bocado da Cris, com isso tudo. Ela consegue tratar do assunto lindamente, bem melhor do que eu. Ela tem experiência.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s