de costas

Photobucket

Esse é o raio-x da minha coluna lombar. A maior radiografia que já tive que fazer. Eu sempre me achei linda de costas, e continuo achando por dentro. Acho linda essa curvinha pro lado, um charme. É só minha saúde que não gosta muito dela…

Mas essa foto estranha (e não tão legal pra tirar) veio me lembrar que, ao contrário do que eu quero – e costumo mesmo – acreditar, meus ossos não são de adamantium. E meus anticorpos não são superdotados. E minha energia não é infinita, e não é meio litro de café por dia que vai torná-la assim.

Eu sempre tive orgulho da minha boa saúde. Nunca fiquei doente durante as aulas, desde que entrei na faculdade. Pifava, sim, mas na semana seguinte, quando já estava segura, em casa, com mamãe me dando dengo e qualquer remédio que eu precisasse. Essa foi a primeira vez, e foi horrível ter que ir embora de uma das aulas mais legais do período porque a dor não me deixava continuar ali numa boa. E pior ainda foi perder o fim de semana tão esperado, e gastá-lo todinho deitada na cama com um livro de auto-ajuda *shame on me* (mas eu estava na casa de minha vó, e vocês já sabem o que acontece por lá). E ainda pior do que isso foi vestir aquela bata super estranha do hospital e tirar até minha correntinha de bailarina, pra fazer o raio-x da coluna. Foi quando senti que a coisa tinha ficado feia demais, e tudo por culpa dessa minha mania de achar que dou conta, que posso tudo, que não tem problema nenhum sacrificar o corpo por um bem maior – mas espera aí, o bem maior não devia ser viver bem? de que adianta terminar 3 cadeiras com média 10 e ganhar um muito bem e um aumento no trabalho pra não poder curtir nada disso de tão exausta?

Eu não podia ter deixado meu lado workaholic tomar conta de mim tanto assim. Agora tô tendo que ficar de pijama em casa, sentada/deitada numa daquelas almofadas triangulares ortopédicas, em pleno feriado, pra ver se fico boa, e isso depois de já ter passado uma meia-semana muito mais-ou-menos, sem aproveitar as coisas direito por causa do remédio que me deixa devagar como eu nunca achei que fosse capaz.

É, Linoca, parabéns. Você é humana.

(soundtrack: Rolling Stones – Time Is On My Side)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s