me matem, eu li um livro de Augusto Cury

Eu gostaria de dizer que foi, num dia de bom humor, um esforço pra quebrar meu preconceito contra livros de auto-ajuda. Mas na verdade catei o livrinho porque as outras opções de coisas-pra-fazer-na-casa-de-vó-cheia-de-gente-barulhenta-no-fim-de-semana eram:

a) ficar rondando a churrasqueira na espera por um espetinho de carne, ou b) ficar rondando o fogão à espera da panela de cobertura do bolo, ou ainda c) ficar rondando o escritório à espera de um computador desocupado.

Como eu não queria nem engordar nem me stressar, fui ler, é claro. Um livro que não sabe se é romance ou auto-ajuda (eu sei: é auto-ajuda disfarçada de romance, e odeio quem não se assume), em que o protagonista é um alter-ego muito mal alter do próprio Augusto Cury: jovem estudante de medicina, idealista, sonhador, que fica chocado com a falta de sensibilidade que os médicos renomados têm com os cadáveres (!) e resolve desvendar a história de um deles, o Poeta da Vida (cof cof). Para isso se disfarça de indigente e vai viver nas ruas, tentando entender as personalidades brilhantes por trás dos doidinhos de rua e descobrir a verdade sobre o tal Poeta, que no fim das contas foi o médico fundador do Hospital das Clínicas, que perdeu a esposa e os filhos num desastre e enlouqueceu. Ops, estraguei o final… mas adivinhem só? Não quebrei nem um pouquinho meu preconceito contra livros de auto-ajuda. Continuo achando – e agora falo com conhecimento de causa – que só quem se auto-ajuda são os autores, que faturam milhões às custas dos traumas dos reles mortais que compram (e pior: dão de presente) esses livros cheios de frases feitas e filosofia de botequim. O tal médico-sonhador-idealista não se cansa de fazer propaganda de suas descobertas revolucionárias, do tipo todos os nossos atos têm consequências (jura?), e obviamente é malvisto pelo malvado-e-retrógrado-diretor-do-hospital, que não aprova sua maneira afetuosa e gentil de tratar os pacientes. É claro que no final o diretor-coração-de-pedra cai em si, pede desculpas e adota uma postura mais humana, bla bla bla.


É impressionante como até um livro de auto-ajuda consegue ser tão maniqueísta. Mais impressionante ainda é o uso exaustivo de expressões como “palco da vida”, “anfiteatro da mente”, “cortinas do conhecimento”. Acho que Cury na verdade é um ator frustrado… Aí me pedem pra dar um desconto, porque O Futuro da Humanidade (é esse o nome do livro, bem sugestivo, não?) é o primeiro romance dele, que provavelmente não tinha a técnica aprimorada que tem hoje pra escrever (cof cof). Mas Lauren Weinsberger foi jornalista por anos, e seu primeiro romance foi O Diabo Veste Prada. Que – além de ser deliciosamente irônico, demonstrar não técnica, mas naturalidade e provocar um divertidíssimo esforço imaginativo – é extremamente comercial, mas pelo menos assume.

Não tenho nada contra quem gosta das pilulazinhas de otimismo barato, e não duvido que os conselhos realmente tenham algo que se aproveite. Tenho, sim, muita coisa contra quem vende as pilulazinhas querendo posar de salvador do mundo (e o pior é que meio mundo de gente considera o cara um gênio). Mas o que mais me irrita é uma criatura que não me conhece querendo me dizer o que fazer, como se a fórmula pra ter uma vida feliz fosse a mesma pra todo mundo, como se todas as pessoas fossem brinquedos de montar, todos com o manual de instruções igual. E só pra registrar, também odeio qualquer tipo de manual de instruções.

.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
e o melhor de tudo: digam se ele não é a cara do senhor Miyagi!
..

(soundtrack: Beatles – All My Loving)

Anúncios

8 respostas em “me matem, eu li um livro de Augusto Cury

  1. Eu li o livro o codigo de inteligencia e gostei .agora cabe a cada leitor filtrar o que é bom .e espero ler os demais livros da sua coleção ai então poderei julgar. o tempo é o senhor da verdade.

  2. Adorei !!! Livros de auto-ajuda são péssimos, pelamor de deus…. disse tudo. Agora o Sr. Augusto Cesar precisa sim de ajuda, ajuda literária e de um professor de português… ele disse: “raciossinio espontaneo” Huahuahauhauha. Sugestão de leitura: Caminho Suave.

    • Concordo com Gustavo e a dona do Blog. Engraçado como nos fóruns e blogs boa parte dos que endeusam e defendem esse tipo de embusteiro não sabem nem língua portuguesa. Ou seja, o falastrão arranca dinheiro de quem, na verdade, não lê, não estuda, não se informa. E ainda vai atrás de auto-ajuda? Auto-ajuda não existe! Toda ajuda vem dos outros (para os crentes, de Deus, Cristo ou outra divindade qualquer), dos livros, dos professores, dos amigos, da Dona Internet, do Doutor Google. Isso tudo é alter-ajuda! Os pobres (de espírito, porque de dinheiro não são, se não não ficariam gastando os parcos reaizinhos nessa literatura fast food.

  3. Eu li alguns livros do Augusto Cury, e simplesmente adorei, não concordo nem um pouco com sua opinião, já que pensou desse maneira, porque perdeu o seu tempo em terminar de ler, porque na leitura, viajamos nos pensamentos do autor e nos vemos naquelas palavras escritas, tentando nos comparar, vc com certeza não leu querendo entender e sim criticar, mas perdeu muito tempo, porque vc não usa seu tempo para ir em um psicólogo, talvez sua maneira de ver as coisas vão mudar muito.

    • É importante que o ser humano perpasse por variados tipos de livros e leituras e discordar, usar a dialética é o ponto fundamental para formar uma síntese e amadurecer como leitor ,portanto discordo ao afirmar que se um livro é ruim deve-se interromper a leitura , tudo é experiência e nem todas são boas , como foi o caso de quem já leu Augusto Cury.

  4. Já repararam que as pessoas que defendem esse pseudo-escritor assassinam o português a cada comentário postado? Veja as pérolas que essa Júlia Godoy escreveu: concerteza (com certeza ela é analfabeta), excessão ( não tem exceção, quem gosta do Cury é burro mesmo). Sem contar a concordância. Realmente, ” Augusto é o pai do mobral”. kkkkkkkkkkk

  5. Quanta gente carente existe nesse mundo, só gente idiota gosta de Augusto Cury, quando alguém não gosta dele, a pessoa já sobe em meu conceito. Falo isso porque já assisti uma palesta dele, e achei uma porcaria.

  6. Qualquer pessoa que diga: “Odeio todos q leiam Augusto Cury”, “Todos que leem Augustu Cury são burros”, “Quem gasta com essa psicologia piegas é retardado”, etc. Cada um destes não merecem respeitl nenhun a não ser entre eles mesmos… Literatura é subjetivo.
    . Conheço várias pessoas inteligentíssimas q leem Crepúsculo por que ao contrário de mim conseguem tirar alguma coisa boa dali. Com Augusto Cury é a mesma coisa. Muito provavelmente se você é resmungão e não lê nem mesmo Manual de Instruções, tem um orgulho tão alto quanto diz que o Cury tenha. Não gosto de TODAS as obras dele que já li. Mas as pessoas precisam aprender a avaliar com mais imparcialidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s